Pomba doméstica-Columbiformes

Pomba doméstica-Columbiformes

Pesquisa avalia pombos em Santos

A faculdade de Biologia da Universidade Santa Cecília (Unisanta) realiza a partir de abril uma pesquisa para mapear a população de pombos na cidade de Santos. O principal objetivo é saber se as aves oferecem riscos à saúde dos moradores.O médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti, que é pesquisador e professor da universidade, coordenará 80 alunos do 2º e 3º ano da faculdade de Biologia.

Na primeira fase da pesquisa, os alunos estarão divididos em 29 pontos de Santos, na qual farão a coleta das fezes dos animais. “Vamos colocar o plástico no chão de madrugada. Com a coleta das fezes mandamos para o laboratório”, revela Filetti.

No laboratório serão feitos os exames para constatar se os pombos apresentam parasitas que possam oferecer riscos à pessoas. “Nosso trabalho é para mostrar se existe doença e se estão sendo transmitidas”.

De acordo com o coordenador do estudo, nesta segunda fase (exames laboratoriais), o importante é saber se as fezes são contaminadas por agentes externos ou não. “A gente pode achar um exame de fezes negativo, mas não quer dizer que eles estejam contaminando”, conta.
Filetti explica que em contato com o meio ambiente as fezes podem ser meio de cultura para bactérias transmissoras de doenças. “Elas (fezes) em contato com o meio ambiente (umidade, ventos, sol) podem virarem patogênicas e ou fazer meio de cultura para bactérias”.
A intenção é também fazer um mapeamento, por meio de bioestatística, para saber qual é a atual população de pombos em Santos. “Em 1995 (primeiro estudo) nós calculamos de 100 mil a 120 mil pombos na Cidade”, comenta.

Para Filetti é um número alarmante e ficou constatado no primeiro levantamento que a população de pombos crescer progressivamente. “Na época eu alertei as autoridades municipais sobre o aumento pelo fato de não haver predador”.

Outros fatores que favorecem a procriação de pombos é a geografia da região. “As cidades são ideais porque são planas, se intercomunicam, há abundância de alimento e as pessoas dão comida”, explica o médico veterinário.

Controle

Como médico veterinário, Eduardo prega a não exterminação das aves nas cidades da Baixada Santista e sim realizar um controle ecológico dos animais.
A idéia, após o término da pesquisa, é conseguir subsídios para realizar um trabalho de esterilização das aves. “Ao final do estudo, a gente pode recorrer à Universidade de Roma e Milão e ver quem quer patrocinar a cidade com anticoncepcionais gratuitos durante um ano e seis meses”.

As próprias pessoas que oferecem alimento para os pombos seria um instrumento de esterilização. “As pessoas continuariam dando comida, mas com anticoncepcional”, explica Filetti.

Segundo o médico veterinário, para realizar o controle de natalidade dos pombos é preciso que haja uma base científica. “Saber onde se concentram, onde vivem, qual as doenças que estão transmitindo para podermos aplicar os anticoncepcionais”.

O trabalho, que tem o apoio da Unisanta, em Santos deverá estar concluído num prazo de dois meses. Para o segundo semestre a intenção é ampliar o levantamento para outras cidades da Baixada Santista. “Primeiro Santos, depois São Vicente, Guarujá, Cubatão e Bertioga”, revela.
O estudo será supervisionado pelo pesquisador responsável Roberto Patela que é diretor do curso de Biologia da Unisanta. “Esperamos que consigamos um resultado para gente conseguir diminuir os pombos sem matança”, finaliza Filetti.

Eduardo Filetti é professor de fisiologia médica há 19 anos pela Unisanta e atualmente trabalha com a área de extensão e pesquisa universitária.

Curso

Há 12 anos a Clínica Filetti realiza o curso de auxiliar universitário. As aulas acontecem as terças e quintas-feiras, das 20 horas as 21: 30 horas. As inscrições estão abertas para a nova turma que tem início em abril.

A Clínica Filetti fica na rua Almirante Tamandaré, nº 273. Os telefones para maiores informações são 3227-5770, 3227-7172 e 9711-5545.
________________________________________________________________________

Por dizermos que somos superiores as demais espécies, é preciso respeitá-los e preservá-los com intuito de minorizar esta assimetria

A grandeza de uma nação e o progresso moral podem ser julgados pela maneira como os animais são tratados (Gandhi)

2018-06-04T09:24:37+00:00