Criança se torna mais cooperativa no ambiente hospitalar.

 

A ciĂȘncia jĂĄ comprovou que animais de estimação fazem bem a saĂșde, afirma o mĂ©dico veterinĂĄrio Eduardo Ribeiro Filetti, ao reforçar que pesquisadores da Universidade de Uppsala, na SuĂ©cia, realizaram estudo de 12 anos que mostrou que, para pessoas que vivem sozinhas, a presença de cĂŁes diminui em 33% as chances de morte e em 36% o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. A possibilidade de infarto cai 11%. Para quem mora com mais pessoas, tambĂ©m hĂĄ benefĂ­cios: risco de morte reduzido em 11% e de doenças do coração por volta de 15%.

Filetti frisa que o amor incondicional que os animais de estimação tĂȘm por seus tutores e vice-versa Ă© essencial para o combate de diversas doenças, principalmente os males emocionais. Chamada de pet terapia ou Terapia Assistida por Animais, o uso de bichos domĂ©sticos para fins terapĂȘuticos Ă© reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Em alguns estados, como Mato Grosso, SĂŁo Paulo e Rio Grande do Sul, leis foram sancionadas para permitir a presença de animais de estimação em hospitais pĂșblicos e privados, como forma de auxĂ­lio terapĂȘutico, em especial de doenças como depressĂŁo e ansiedade.

As pesquisadoras Andreia Maria Heins Vaccari e Fabiane de Amorim Almeida, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, constataram que a visita dos animais a crianças doentes descontrai o ambiente, propicia maior interação do paciente com os profissionais e demais crianças. Contribui para que a criança se torne mais cooperativa nos procedimentos hospitalares, além de atuar como estratégia alternativa no alívio da dor e do desconforto.

EstĂĄ claro tambĂ©m, enfatiza o mĂ©dico veterinĂĄrio, que a convivĂȘncia com pets reduz a sensação de solidĂŁo, a ansiedade e a depressĂŁo. O contato com os animais, faz os seres humanos produzirem mais hormĂŽnios como a ocitocina, prolactina e a serotonina que melhoram o humor: “Criar um bicho em casa ajuda a reduzir a pressĂŁo sanguĂ­nea, colesterol e o triglicĂ©rides, alĂ©m de melhorar a função cardĂ­aca e prevenir doenças cardiovasculares. Passear com cachorro Ă© uma boa maneira de perder peso. Ter animal de estimação Ă© efetiva medida preventiva para a saĂșde fĂ­sica e mental dos seres humanos”.

—Eduardo Ribeiro Filetti Ă© mĂ©dico veterinĂĄrio pĂłs-graduado em SaĂșde PĂșblica e professor universitĂĄrio

Saiba mais em: JORNAL PERSPECTIVA