Reportagens

Reportagens 2018-12-04T19:00:43+00:00

Matéria sobre Veterinária

Manchinha que jamais sairá da memória Eduardo Ribeiro Filetti – Médico Veterinário, Professor Universitário, Pós Graduado em Saúde Pública pela Unifesp A morte de Manchinha, cão assassinado por um segurança do supermercado Carrefour em Osasco chocou o país nessa semana. Como alguém pode cruelmente matar um animal pensando em interesses comerciais. A revolta tomou conta das ruas, das ongs de defesa da vida animal, da imprensa e das redes sociais. É o momento para refletirmos sobre as mudanças da sociedade. Há algumas décadas, quem acreditaria que estivéssemos celebrando casamentos entre pessoas do mesmo sexo e esses casais frequentariam livremente ambientes comuns exibindo o amor e o laço afetivo que os une? Meu amigo, advogado Vasco Vieira, sempre me diz que daqui poucos anos os animais de estimação, em especial cães e gatos, estarão comendo à mesa como membro das famílias, pois o laço afetivo que une esses animais às pessoas muitas vezes transcende até mesmo o elo consanguíneo da mesma espécie, ou seja pode ser até mais forte que o laço familiar. Esse amor, carinho e respeito é conquistado na relação. Nessa semana, o mundo teve prova disso ao se encantar com Sully, o labrador do ex-presidente norte-americano George Bush que fez questão de zelar o caixão do presidente durante o seu velório. Lealdade que muitos humanos não possuem. Respeito que muitos humanos não expressam. Afinal, os cães e gatos podem existir e ter seus direitos respeitados? É óbvio que sim! A lei diz que é dever do Estado proteger os animais, tanto que o Ministério Público estadual está investigando o falecimento de Manchinha e com certeza punirá os culpados. Precisamos aproveitar esses momentos e fazermos a discussão que nos cabe. Devemos tratar os cachorros com amor e amizade como eles nos tratam? Claro que sim. É natural o conceito de cachorro comunitário. Alguns comércios possuem seus animais dentro das lojas. Algumas comunidades têm seus cachorros circulando livremente, como Robinho, adotado pelos taxistas e comerciantes da confluência do Canal 1 com a Floriano Peixoto. Os animais, em especiais os cães, podem trabalhar e coexistir com os humanos com respeito. Deve ser benéfico para todas as partes. Os cães comunitários devem existir e podem colaborar inclusive com a segurança de ruas e lojas onde conhecedor da vizinhança e com o devido treinamento, eles podem colaborar e muito na intimidação da ação de marginais, por exemplo. Cabe aos legisladores produzirem leis nesse sentido. Cão precisa de apoio. Em 1987, com estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade Santa Cecília desenvolvemos a primeira cadeira de rodas para cães. A inclusão e o respeito são o melhor caminho. Nesse sentido, cabe elogiar um Posto Shell de São Paulo que contratou o vira-lata Negão para trabalhar, recebendo salário e moradia, com uniforme e crachá. Há notícias de empresas em Manaus que contratam cães para atuar na segurança dando inclusive direito a férias aos mesmos. Isso é inclusão e respeito aos animais. Ao Carrefour, aconselho construir uma estátua de Manchinha em todas as suas unidades e permitir desde já a circulação de animais em suas lojas e até obrigando as unidades a possuírem no quadro de colaboradores um pet. Claro que nenhuma dessas ações substituem a vida de Manchinha. Ela é insubstituível. Mas, é a maneira de transformarmos essa mancha da falta de respeito humana em um aprendizado eterno a comerciantes, pessoas e animais. Respeito é tudo. Essa Manchinha será indelével em nossa memória e de todos aqueles que se dizem humanos.

Eduardo Ribeiro Filetti entrevistado no portal da senadora Mara Gabrilli

Portal Mara Gabrili: Quando e como surgiu a ideia de fazer uma cadeira de rodas para cachorros?
Drº Eduardo Filetti: Em medicina veterinária, assim como na humana, alguns animais sofrem de problemas osteomusculares e quando graves podem ficar sem os movimentos dos membros posteriores. Sem contar os inúmeros casos de acidentes, como os atropelamentos. Pensando nisto, em 1987, em conjunto como Departamento de engenharia da UNISANTA desenvolvemos a cadeira de rodas para facilitar a vida dos queridos pets

PMG: Há uma raça de cachorro específica acometida por deficiências?
Filetti: A raça de cachorro mais acometida por deficiências é o Dachshund[o popular salsicha] por ser um cão cumprido. Desde filhote avisamos que temos que dar uma ração bem balanceada e submeter o pet a exercícios moderados para não deixá-lo engordar.Damos também muito enfoque para cliente evitar escadas e brincadeiras de pular com esta raça para que não haja o desgaste exagerado dos discos intervertebrais.

PMG: Quais os tipos de deficiência que um animal pode ter? E quais são as causas?
Filetti: A maior parte das deficiências são problemas ocasionados por acidentes. Temos também os problemas genéticos e hereditários atacando nossos pets. Em algumas raças como os Dachshund que são cumpridos há muita propensão a ter problemas cervicais e lombares.

PMG: Que tipo de tratamento existe para cachorros que possuem uma deficiência? Há um tratamento específico para cada um?
Filetti: Geralmente tentamos tratá-los com muito carinho e amor. Após exames radiológicos, onde detectamos a patologia (problema cervical,espondiloartroses etc) escolhemos as diversas formas de tratamento que vão desde aplicações de vitamina B12 com anti-inflamatórios , gelo, compressas, luz,massagens e até acupuntura. Se não tiver jeito (ex: fratura de coluna lombar com ruptura de medula) indicamos a cadeira de rodas para aumentar a qualidade de vida do pet. Eles se adaptam muito bem e continuam sendo ativos e felizes. Este é o maior pagamento que um médico pode receber…Ver um paciente curado ou recuperado.

PMG: Qual a principal procura dos donos de animais na sua clínica?
Filetti: Graças a Deus temos bom movimento, estamos trabalhando há 31 anos sem parar um dia. Inclusive em internações e na UTI. Somos muito procurados para tratamentos dermatológicos, cirurgias desde as mais comuns até ósseas e oculares. Fazemos cirurgia em animais com catarata.Temos hotelaria em local separado da nossa internação.

PMG: Isso é um sinal que há muitos animais com deficiência… Há um estudo sobre isso aqui no Brasil?
Filetti: Tentei fazer um levantamento de quantos animais têm deficiência. Quando fizemos a cadeira de rodas, não cheguei a números reais, mas posso garantir que existem vários casos no Brasil e no mundo. Já mandei cadeiras de rodas até para a Austrália, o dono me passava as medidas do pet por email e fomos montando a cadeira.

PMG: Por falar nisso, como é a acessibilidade em sua clínica?
Filetti: A acessibilidade da nossa clínica é boa temos piso adequado e rampas para deficientes.Queremos tratar bem todas as pessoas.Todos somos filhos de Deus.

PMG: E essa historia dos jacarés fraturados…Conta para gente como foi isso.
Filetti: Foi a coisa mais curiosa que aconteceu em minha clínica. Atendemos esses jacarés do Parque da Anilinas de Cubatão. E cuidar de um jacaré com fraturas não é fácil. Mas ele ficou bom. Tivemos que improvisar uma tala resistente à água para ele…

PMG: Podemos considerar este fato o mais desafiador na sua carreira?
Filetti: No começo da minha trajetória profissional, atendi animais de um circo que pegou fogo. Fiquei uma semana dentro de minha empresa cuidando dos pets. Não atendi a imprensa até estarem todos fora de perigo.Foi uma grande experiência para um início de carreira. A vida é um grande aprendizado e apesar de estar tratando de animais desde os meus 14 anos de idade, mantenho o gosto do aprendizado constante. Acho que as pessoas devem escolher a profissão por vocação, pois fica bem mais fácil.

17ª Confraternização dos Santistas de Canoinhas e Região

17ª Confraternização dos Santistas de Canoinhas e Região, 700 KM de SANTOS, presença de muitos jovens, 30/11/2018.

Comentários de Notícias na Rádio Litoral 102,1 FM dia 14 de novembro de 2018

Eduardo Ribeiro Filetti , Daniel, Nicolau Obeidi,Paulo Shiff e Geraldo comentando as notícias na rádio Litoral 102,1 FM dia 14 de novembro de 2018

Pedro Filetti participa de inauguração da Radio Omega no Espaço Cultural Filetti com o craque Lima

Celso Filetti viaja para o Peru representando o Brasil fotos 2016

Clínica Veterinária Filetti 24 HS

que tem um trabalho de reintegração animal que recolhe animais de rua e após tratamento os doa gratuitamente para que se.propõe a cuidar bem

IMPORTÂNCIA DOS EXERCÍCIOS PARA OS PETS

Os cães podem e deve se exercitar diariamente .Indicamos caminhada moderada para prevenção da obesidade e melhorar a saúde geral.

Estes benefícios da atividade física diária vão ficar claros quando o animal chegar na velhice.

Se nós humanos fizermos caminhada com nosso cãozinho de estimação vamos ter este ganho também .

A saúde física e mental dos pets é muito importante e sabemos que todo confinamento pode ser estressante. Sair na rua, brincar e se divertir podem e deve fazer parte da rotina diária dos pets.

O animal que não se movimenta tem um grande potencial de desenvolver problemas de saúde como osteoporose , artroses , problemas cardiovasculares e renais.

Eduardo Ribeiro Filetti é medico veterinário , professor universitário, apresentador de programa de tv , comentarista em diversos programas de rádio ,pós graduado em saúde pública, pós graduado em fitoterapia, especialista em clinica e cirurgia de pequenos animais